Resenha: Tell the Wolves I’m Home, Carol Rifka Brunt

No dia do enterro do seu tio e padrinho, June Elbus, 14 anos, percebe uma pessoa que prefere não se aproximar do resto da família. Dias depois, ela recebe um pacote dessa pessoa, Toby, contendo um bule que pertenceu ao seu tio e um pedido para eles se encontrarem pra conversar. June, que sempre foi muito apegada ao tio, começa a perceber ao conversar com Toby que tem muita coisa sobre o querido tio que ela não sabia e que ela não é a única a sentir tanta falta dele.

Confesso: os livros da Novo Conceito normalmente não me chamam a atenção. As capas normalmente não fazem jus aos livros que eu já sei que são bons ou não me fazem ter vontade de ler um livro que eu ainda não conheço. Mas com esse foi diferente, porque eu realmente gostei da capa e queria descobrir qual era a relação dos elementos dela com a história. Logo quando eu comecei a ler e comentei com a Duda, do Book Addict, que estava lendo, foi engraçado, porque ela desvendou toda a história só lendo a orelha do livro. Foi realmente tão previsível assim pra vocês também? Pra mim não foi, mas a cada página que eu lia eu percebia que a Duda tinha acertado em tudo!

O livro tem pouco mais de 450 páginas pra uma história que poderia ser contada em 300, no máximo. É uma história morna, com uma escrita floreada e uma narrativa lenta. Muito do livro é só uma descrição forçada do fim dos anos 80 e uma tentativa de enobrecimento da paixonite de uma adolescente de 14 anos por seu tio. Poderia ser uma boa história sobre relações familiares ruins/abusivas/malcompreendidas, mas não há foco nenhum sobre isso. June é só uma adolescente normal que se acha incompreendida e mal-amada, com pais ausentes e uma irmã que a usa bastante.

Diante disso tudo, o livro ficou forçosamente angustiante, de uma forma ruim. Acho que era pra ser algo triste e emocionante, mas ficou meio creepy e de modo algum emocionante. Chega a ser cansativo logo nas primeiras cem páginas, já que é um livro que basicamente não leva a lugar nenhum.

A autora tentou escrever um livro sobre autoconhecimento, luto e redescobrimento de laços familiares, mas pra mim ela falhou feio. Os personagens não foram aprofundados como deveriam, as relações ficaram forçadas e não teve nada de emocionante na “jornada” da June em re-conhecer o seu tio morto por um doença grave. Não gostei da leitura, que foi arrastada e não chegou a lugar nenhum.

Livro: Diga aos lobos que estou em casa
Autora: Carol Rifka Brunt
Lançamento: 2014
Editora: Novo Conceito
Links: Skoob
Classificação: mpcmpc
No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

3 Comentários em Resenha: Tell the Wolves I’m Home, Carol Rifka Brunt

  1. Nossa… que estranho.. sabe.. eu estou no meio do livro e tenho gostado dele..mas cada qual com seu gosto né.. eu acho que o modo como os capítulos foram divididos fez até com que eu leia mais rápido.. eu li umas 250 pgs isso em um só dia.. não acho que entre para meus livros favoritos.. mas eu estou gostado.

    [Responder]

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge