Resenha: 1984, George Orwell

Numa sociedade distópica totalitarista, Winston vive sua vida regrada, comandada e assistida pelo Big Brother. Trabalhando no Miniver, o Ministério da Verdade, Winston é um dos que fazem com que O Partido seja infalível, falsificando qualquer coisa escrita que desminta a atual situação que O Partido queira que seja verdade. Um dia, no trabalho, pensando em sua frustração contra o sistema — um crime –, Winston nota Julia, uma colega de trabalho. Ele fica preocupado que Julia seja uma informante do Partido, mas, por meio de um bilhete furtivo, descobre o real interesse dela. Ao começar a se relacionar com Julia — outro crime –, a frustração e revolta de Winston cresce mais e mais, e com sua visão fatalista de vida ele tem certeza que eles serão pegos algum dia.

O clássico distópico da literatura é uma leitura por vezes cansativa, mas sem deixar de ser sensacional. É incrível ver que algo escrito em 1948 e pensado para acontecer em 1984 continua sendo tão verdade, tão atual. Não é a história, são as consequências, os medos, a vigilância, o controle, as verdades ditas como mentiras e vice-versa, o poder absoluto de uma ou poucas pessoas, a manipulação.

A história é contada pelo ponto de vista do Winston, sua vida na Oceania — uma das três potências mundiais do mundo do livro, que abarca a atual Oceania, América, sul da África e a Islândia, Irlanda e Inglaterra. Uma das coisas que mais me chamaram a atenção foi que o Winston comenta que a Oceania está em guerra com a Eurásia e que a Lestásia é aliada, mas ele lembra de um momento passado em que era diferente. Isso é um dos pilares da política do Big Brother: GUERRA É PAZ. A constante guerra é uma confirmação do poder da Oceania, não importa quem seja o inimigo. Só de ter essa memória do passado Winston está cometendo um crime, por estar discordando do que O Partido diz ser verdade. E não há como contestar essa verdade porque o Miniver, o próprio Winston e seus colegas de trabalho, existe pra que essas discrepâncias não existam. Toda e qualquer informação diferente da verdade do Partido é modificada e destruída. Todos os registros são apoios do Partido.

Isso me leva a outro ponto incrível: na concepção do Partido, o Ministério da Verdade não está mentindo. Essa modificação do passado é porque o passado não importa, só o presente. A História não é necessária, o passado não é necessário. A memória cria uma fonte de comparação, e O Partido não quer que as pessoas percebam que estão presas no presente, no totalitarismo e na opressão. IGNORÂNCIA É FORÇA. Não força do povo, mas do Partido, claro. Controlando o passado, controla-se o futuro e o presente. Não há motivos para questionamentos porque não há mentiras, não há desvios.

Com isso, um são todos, todos são um. Não há diferenciação entre as pessoas como elas mesmas, como indivíduo, como ser. LIBERDADE É ESCRAVIDÃO. Todas as pessoas recebem os mesmos conteúdos, não podem e não conseguem questionar nada, não podem pensar fora do contexto, não podem viver de acordo com seus próprios conceitos. Não existem próprios conceitos.

Se para mim, que não tenho nenhuma base filosófica, o livro já foi impactante, imagino como é ler algo sabendo de onde veio, os motivos, como aquilo surgiu, tendo uma visão mais ampla do contexto histórico, social e filosófico que o Orwell utilizou pra basear sua obra. De toda forma, leitura mais do que recomendada, pelo menos pra nos lembrar que, independente de toda a propaganda de coletivismo que nos cerca, somos indivíduos únicos e podemos e devemos ter nossos próprios conceitos.

Livro: 1984
Autor: George Orwell
Lançamento: 2009 (edição da Companhia das Letras com nova tradução)
Editora: Companhia das Letras
Links: Skoob
Classificação:                                                                                 mpcmpcmpcmpcmpc 
No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

1 Comentário em Resenha: 1984, George Orwell

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge