Resenha: Bloodlines, Richelle Mead

Sydney é uma alquimista; basicamente, as pessoas que mantém os vampiros longe do do conhecimento dos humanos. Depois de ajudar Rose, a reputação de Sydney com os alquimistas não está boa, então ela decide aceitar o trabalho de tomar conta de uma vampira moroi, Jill, numa escola humana. Além de conviver bem de perto com uma vampira, Sydney terá que descobrir mistérios que rondam os alunos e aguentar as provocações de Adrian e Keith.

A pergunta que sempre ronda a série Bloodlines é: posso lê-la sem ter lido Academia de Vampiros? Pode. Os spoilers inevitáveis não são explicados e, apesar de aparecer aquela curiosidade pra saber o que realmente aconteceu, essas informações não são necessárias pro entendimento da história que Bloodlines conta.

Eu comecei a ler e amar a Richelle Mead porque ela constrói as histórias dela assim: no primeiro livro ela apresenta personagens cativantes, com relacionamentos complicados, com um toque de mistério e aventura e um romance em aberto. Aí no segundo livro tudo se complica, os mistérios se aprofundam, o romance começa a esquentar e você começa a teorizar sobre cada passo dos personagens. Aí no terceiro livro a Richelle quebra seu coração em mil pedacinhos, continuando com os mistérios cada vez mais tensos e com relacionamentos emocionantes e também tensos. No quarto e no quinto livros ela brinca de gato e rato com seus sentimentos, e você fica sem saber se pode recolher os pedaços do seu coraçãozinho ou se joga tudo pro alto e fica chorando no cantinho, e ainda assim consegue manter o nível dos mistérios e tudo fica tenso na leitura e na sua vida. E aí, no sexto e último livro, ela… bem, no último livro a Richelle faz a sua mágica. E termina a série com chave de ouro.

Então, agora que expliquei a mecânica dos livros (rs), achei esse livro um pouco morno, mas acredito que a série seguirá essa minha explicação e só melhorará a cada livro. A Sydney é uma personagem forte, mas ainda imatura. Os porquês das ações delas são todos errados, apesar que eu acho que ela vai rever todos os conceitos dela durante a série. O romance ainda vai aparecer realmente — e eu adoro esse progressão dos sentimentos –, mas pra quem já leu VA sabe do potencial de tudo que está por vir.

O que eu acho mais legal nos livros da Mead é que os personagens crescem absurdamente durante a série. E vai ser muito lindo ver a Sydney quebrando a cara por causa de seus (pré) conceitos e de sua vontade de orgulhar seu pai.

Livro: Laços de Sangue

Série: Bloodlines #1

Autora: Richelle Mead

Lançamento: 2013

Editora: Seguinte

Links: Skoob

                                                                  Classificação: 

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

1 Comentário em Resenha: Bloodlines, Richelle Mead

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge