Essa modinha de literatura erótica.

Hoje o dia começou com a resenha da Alba e da Bianca do livro Toda Sua e, por causa dele, faço esse post hoje. Eu ainda não li, mas esse livro é um dos que vieram por causa do sucesso de 50 tons de cinza. O boom de “literatura erótica” que 50 tons trouxe para o mercado editorial está fazendo com que livros com temáticas “eróticas” pululem como se nunca tivesse existido livros eróticos no mundo. Mas, por favor, repensem comigo essa tal “literatura erótica”.

Vamos recapitular o que está no mercado: primeiro veio pela Intrínseca 50 tons de cinza, temática BDSM + personagens de Crepúsculo. Aí outros vieram e estão vindo, não sei em que ordem exatamente: Falsa Submissão veio pela Record, também com temática BDSM — com o adendo de ser uma nova edição, feita especialmente pra pegar a moda. O Toda Sua, motivo desse post, também tem temática BDSM. Luxúria é a aposta da Lua de Papel para o gênero, que também tem — guess what — temática BDSM.

Notaram algo estranho? É só o começo, calma. Desses quatro livros eu só li o 50 tons, mas pelo o que eu ando vendo não estou perdendo nada. Além de terem temáticas iguais (quando foi que literatura erótica se tornou apenas BDSM?), o desenvolvimento e os personagens também não parecem diferir muito. Personagens traumatizados e comportamentos abusivos parecem ser parte do pacote BDSM.

E eis o meu outro ponto, que a Alba e a Bianca frisaram tão bem na resenha delas: o que há de bom no comportamento abusivo desses personagens? Por que eles fazem tanto sucesso? Nesse ponto eu adiciono Belo Desastre, da Verus, um New Adult com um relacionamento tenso e descontrolado. Eu ainda estou em processo de análise da minha opinião sobre Belo Desastre, então deixarei pra falar sobre ele na resenha. Mas um fato que não me passou despercebido foi o comportamento obsessivo do Travis com a Abby. Na ficção parece muito lindo ele querer estar sempre com ela e etc, mas na vida real isso se chama ultrapassar o limite da individualidade do outro.

Uma pessoa adepta ao BDSM não precisa ser controladora/submissa fora do quarto também. Não há problema em práticas assim dentro do quarto, pois existem limites estipulados e papeis que são desempenhados. Mas passar isso ao convívio social traz consequências sérias, do tipo que a lei Maria da Penha foi criada pra lutar contra.

Essa nova moda literária que veio com 50 tons de cinza tem dois problemas: o primeiro é o que veio ainda com Crepúsculo, com a relação de Bella e Edward que acompanha Anastasia e Grey e parece acompanhar esses outros personagens também, com seus comportamentos obsessivos e sua falta de base da relação. O segundo é que essa onda tá só trazendo temáticas BDSM. Cadê os outros gêneros de literatura erótica, gente? Cadê os livros REALMENTE bons do gênero?

Por isso começo hoje um protesto literário: vou deixar de ler esses lançamentos eróticos pra ler livros eróticos realmente bons. Livros com relacionamentos saudáveis, como disse a Alba, e narrativas boas, histórias empolgantes. Em breve resenhas desses livros por aqui!

E vocês, estão gostando desses lançamentos? O que acham dessa nova modinha?

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

24 Comentários em Essa modinha de literatura erótica.

  1. Honestamente: não tenho muita vontade de ler esse tipo de livro. Não é pela parte erótica da coisa, mas porque parece apelativo demais, sabe?
    Tipo, eu adoro os livrinhos de banca, que tem as partes mais calientes e tudo mais (apesar das histórias serem um pouco viajadas DEMAIS o.O’), e gosto dos livros da Nora Roberts, que também explora esse lado – só que coloca de uma forma que tudo fica mágico, digamos assim. Até os livros históricos tem esse tipo de cena (e minha nossa, na primeira vez que eu li um fiquei vermelha! HAHAHAHAHA), mas nunca é essa coisa abusiva e não saudável.
    Ainda não decidi se um dia eu vou dar uma chance a esse livro mesmo, ou a outros livros dessa forma. Ouvi dizer que Belo Desastre é bom, então fiquei mais curiosa, mas mesmo assim, ainda estou com um pé atrás.

    Adorei o post, Mary! 😀

    Beeijo!

    [Responder]

  2. Oi Mary!

    Concordo com o que disse nesse post. Essa coisa de modinha já é ruim e livros com basicamente a mesma fórmula é pior ainda. Fiquei de queixo caído quando vi a sinopse de Toda Sua, a mesma coisa, uma estudante da faculdade e um empresário rico. Pelo que parece, o lançamento de Novo Conceito deve vir sem a relação abusiva de sempre. Espero que sim…

    Abs, espero sua visita lá blog :)
    Matheus Goulart recently posted..O que eu devo ler…?

    [Responder]

  3. Eu já li livros eróticos, a maioria das vezes sem querer. 100 Escovadas Antes de Ir Para a Cama, A Vidente e até Liberte Meu Coração. Então, eu tenho 16 anos e (bem, conheço o mundo, sei que sexo existe e está por toda volta), mas ainda fico meio incomodada com esses livros. NÃO pela parte erótica, porque Liberte Meu Coração tem uma narrativa e história incriveis, mas sim com o fator história-ruim-narrativa-fraca-personagens-chatos que vem junto com essa nova onda de eróticos. Nada contra as cenas de sexo, chick lits BONS mostram isso, o que me dá muita raiva é o fato de comprarem os livros APENAS PELO SEXO, livros ruins, fracos e que ninguém leria se não tivesse o fator sacanagem. Tive preconceito com 50 Tons desde o primeiro momento, porque literatura não é isso, tão livros YA incriveis por ai, ou chick lits, e as mulheres gastam dinheiro com isso!!

    [Responder]

  4. Ah, também acho que sexo vem junto com o amor. Com a atração apenas talvez. Mas é algo bonito (sim, acredito que sexo seja algo bonito), e não algo ASSIM, eles estão passando a mensagem errada. Tudo bem que na cama cada um faz o que quer, mas e as garotas da minha idade que acharem que BDSM é algo CERTO? Tenho medo disso, porque nós lutamos contra a submissão nossa vida toda, e vem uma onda de literatura falando que “tudo bem se apaixonar por um cara que quer só te f**** e maltratar”, não curto isso, fico decepcionada MESMO com isso

    [Responder]

  5. Mary, tudo isso me lembra muito a moda Twilight. Chovia lançamentos com o tema “vampiros” e maioria era lixo, apenas lançados para arrecadar dinheiro as custas do sucesso de outra série. Só que dessa vez eu vejo um problema muito maior porque o tema erótico é mais delicado porque sempre que você fala mal de um livro com esse tema vem uma multidão com pedras na mão dizendo que é falso moralismo. Cansei de dizer “não vou ler esse livro” e as pessoas nunca enxergarem que é pelo amadorismo da obra (podemos chamar de obra?) e não por um preconceito contra o genero. Não tenho problemas em ler livros com cenas quentes, mas exijo qualidade de livros desse genero como exijo de todos os outros.
    Ótimo texto.
    Beijão!

    [Responder]

  6. Na verdade não li nenhum desses ainda, Belo Desastre ta na pilha de livros pra ler, mas fora ele nenhum desses me interessou, tanto pelas sinopses quanto pelas críticas que li. E como você disse: vou deixar de ler esses lançamentos eróticos pra ler livros eróticos realmente bons. (aliás indique para gente quando achar!!!)
    bjs
    Debyh recently posted..OST – Faith

    [Responder]

  7. Mari, disse tudo, li alguns lançamentos mas ao invés de me deixarem excitado me deixam enojada e até com cara de WTF principalmente Toda sua, Belo Desastre e 50 tons, o maledito q começou tudo! rs

    Não tenho menor interesse em continuar nesse gênero podre e igual, quase plágios uns dos outros, as editoras q estão lançando isso invés de continuar com os continuações de outras séries só perdem o meu dinheiro.

    bjs
    leticia recently posted..Melhores da Semana #4

    [Responder]

  8. Olá bonita!Amei o seu blog!Eu odeio literatura erotica.Eu só tenho 15 anos,e sigo principios pelo qual esses livros não regam (sexo só depois do casamento) então definitivamente pode até existir livros eroticos bons,mas desde que tenha erotismo,eu não lerei.

    [Responder]

  9. Pra quem pega livros sabrinas e leticias da vida, 50 tons de cinza é erotismo leve! Realmente, entendi o que você falou, eu e outros blogs estamos debatendo esse tema e tentar entender o que há por trás do sucesso, o que há por trás de personagens problemáticos e comportamento abusivo. O literalmente falando já deixou um post bacana lá no blog dela, tô preparando um artigo baseado pra sair em breve.

    [Responder]

  10. De cinquenta tons de cinza eu gostei muito. Já os outros seguiram numa linha muito parecida, me fazendo não gostar. MAs eu li, pra não me sentir órfã até chegar o cinquenta tons de liberdade na minha casa.
    Já o Belo Desastre, eu achei ótimo. Não apelativo, e a história e bem bacaninha, dá pra gente se distrair e nos desperta algum tipo de sentimento, seja de raiva do “nhe nhe” da Abby, ou de alegria nas partes ciumentas do Travis.

    [Responder]

  11. Eu li 50tons mas achei muito Crepúsculo pornô hahaha. Por outro lado gostei muito de Belo Desastre e estou esperando por algum livro erótico que tenha uma história legal em vez de 2 personagens grudentos + pornografia. Espero sua indicação! :p

    [Responder]

    Mariana Paixão
    Twitter: marypaixao

    Lisa,

    se você gosta de livros de fantasia, recomendo Gena Showalter e Richelle Mead!
    se você prefere livros sem criaturas sobrenaturais, recomendo Patricia Cabot e Nora Roberts!

    Personagens e narrativas ótimos!

    [Responder]

  12. AA! Concordo com a Mariana! Gena Showalter é divina e Richelle Mead? Ela só é minha escritora favorita! Patricia Cabot também é uma boa jogada principalmente se você já cresceu lendo alguns livros do pseudonimo dela para jovens Meg Cabot. Nora Roberts eu nunca cheguei a ler, mas já me falaram MUITO bem sobre ^^

    [Responder]

  13. Na realidade, Luxúria é um livro bem diferente. O personagem principal, Alec, não tem problemas de comportamento abusivo e o estilo sadomasoquista é menos explorado. As personagens usam o sexo baunilha + alguns elementos do sadomasoquismo. Além disso, a trilogia do Luxúria explora novas personagens, não só as personagens do primeiro livro, como é comum. Na minha opinião, é um dos melhores nos livros que você citou. Os livros da Patrícia Cabot são ótimos também, mas não tão eróticos.

    [Responder]

  14. A verdade é que livros eróticos como 50 tons de cinza são totalmente fora da casinha, não sei porque a mulherada fica sonhando com um relacionamento como mostrado ali, aquilo ali não tem nada de saudável e que possa levar a um relacionamento feliz..

    [Responder]

  15. concordo com o comentário do Bruno
    A verdade é que livros eróticos como 50 tons de cinza são totalmente fora da casinha, não sei porque a mulherada fica sonhando com um relacionamento como mostrado ali, aquilo ali não tem nada de saudável e que possa levar a um relacionamento feliz..

    [Responder]

  16. Concordo totalmente com você. De repente descobriram que falar de sexo é interessante. Qualquer um poderia ter imaginado uma historinha como a de Grey e Anastacia e por isso surgem mais e mais “escritores” encorajados a repetir a façanha.
    Acredito que esse estilo agrade mais a adolescentes sonhadoras que na realidade não fazem ideia do que seja erotismo. E como existem adolescentes sonhadoras de vinte e poucos anos, trinta e poucos anos, o gênero estourou. Mas a qualidade é zero. Não vejo a hora dessa fase acabar logo. Está ruim de aguentar!

    [Responder]

  17. Apesar de ser modinha para alguns, tem pessoas que gostam apenas desse tipo de leitura, eu mesmo gosto mais de livros de auto ajuda e só leio sobre isso atualmente, porém tenho vontade de ler livros eróticos, assim como a Andressa disse no comentário, acredito que é possível aprender algo novo para apimentar o relacionamento.

    Minha namorada mesmo, quando leu o 50 tons de cinza começou a se soltar mais na cama, a fazer coisas que não fazia e a pedir coisas que nunca tinha feito na cama, e isso foi ótimo.

    Parabéns pelo artigo, não concordo com tudo mas foi bem escrito, vou ler os outros artigos agora pra ver se encontro alguma resenha de algum livro bom sobre esse gênero.

    Abraço!

    [Responder]

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge