In my Mailbox #49

Oi gente! Mais um IMM aqui! Peço desculpas (por tanta coisa hoje! +_+) pelo atraso, esse vídeo deveria ter saído ontem, mas o youtube demorou eras pra uppar, e desculpa pelas trollagens da minha câmera também! Tem muita coisa linda hoje, viu? *-* Espero que gostem!

  • Livros
  1. Sendo Nikki, da Meg Cabot
  2. Meu amor é um anjo, coletânea Amores Proibidos da Editora Draco
  3. Fallen Angels – Desejo, da J.R. Ward
  4. Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas, do Raphael Draccon
  5. Dragões de Éter – Corações de Neve, do Raphael Draccon
  6. Dragões de Éter – Círculos de Chuva, do Raphael Draccon
  • Pessoas
  1. Julianna Steffens, do Lost in Chick-Lit
  2. Iris Figueiredo, do Literalmente Falando
  • Resenhas
  1. Cabeça de Vento, da Meg Cabot
  2. Meu amor é um vampiro, coletânea Amores Proibidos da Editora Draco
  3. Necrópolis – A Fronteira das Almas, do Douglas MCT
  4. Paixão e Liberdade, da Flavia Simonelli
  • Mais:
  1. marcadores de Cidade das Cinzas [quer ganhar? veja o vídeo e comente!], marcador de Em Chamas, marcador de Os Castelo das Águias

** minha câmera me trollou antes, mas também recebi tatuagens de Cidade das Cinzas!

Resenha: Paixão e Liberdade

“Havíamos sido tão próximas numa época da vida em que nem sempre sabemos como os encontros são passageiros.”

Camila e Isabel são duas mulheres bem diferentes, mas que um dia já foram melhores amigas. Vinte anos depois de tomarem caminhos diferentes, elas voltam a se encontrar, procurando, entre outras coisas, pela familiaridade que um dia tiveram, para partilhar suas vidas de rumos tão diversos do que acreditavam que teriam. Camila se tornou uma alta executiva bem cedo, conquistando posições cada vez mais altas, até perceber que toda aquela subida não lhe valeu de nada, só a fez ficar sem chão; Isabel sempre baseou sua vida mais em sentimentos, mesmo aqueles que ainda estavam presos dentro de si, ou que tentavam sair em seus relacionamentos.

“Que homem atrai uma mulher que gosta de livros e ideias? Era o que eu me perguntava, mas eu só a via metida em decepções amorosas.”

É extremamente difícil pra mim falar sobre esse livro. Ele não chega a ter 200 páginas, mas pra mim foi emocionante, inspirador, incrivelmente forte. O rumo que as vidas das duas personagens é inusitado, emocionante, totalmente diferente do que elas tinham imaginado para si mesmas. E bem real, bem cruel, às vezes revoltante, outras vezes avassalador, em outras mais fascinante. A história é contada na perspectiva da Isabel, ela contando como tudo começou, com a ligação repentina de Camila pedindo um encontro depois de tantos anos. E aí a história segue com a conversa das duas, seus segredos, medos e remorsos, suas vidas cheias de mudanças inimagináveis, as dores e o amadurecimento que vêm junto com elas. Além disso, a Isabel também conta um pouco de seu próprio passado e presente, sentimentos de antes e de agora, pincelando a história com suas próprias reflexões – tanto as que ela já havia feito, com base na sua própria vivência, como as que ela faz enquanto Camila conversa com ela e lhe mostra um lado seu que ela não conhecia, ou que não ousava descobrir.

“Você queria, na realidade, viver um romance já escrito em sua imaginação. Ele não fez assim. Não se comportou como um personagem seu.”

A linguagem do livro é bem poética e pra mim isso foi um ponto extremamente positivo, e acho que a Flavia soube dosar muito bem esse tom poético em toda a narrativa. Foi pra minha lista de favoritos e está cheio de tags em passagens que eu me identifiquei (como esses quotes que eu tô botando nessa resenha). Esse é o tipo de livro que faz você olha pra dentro de si mesmo enquanto lê; a realidade está lá, pura e cruel, e os personagens tentam acompanhá-la.

“O mundo de dentro reverbera no mundo de fora. o mundo de fora palpita no mundo de dentro; a paisagem externa que nos cerca é um espelho do que vivemos internamente na mais profunda inconsciência.

A única coisa que eu realmente não gosto nesse livro é a capa. Eu já tinha visto esse livro na Bienal, no estande da editora, e não tinha prendido minha atenção de forma alguma. Talvez a imagem capte um pouco do sentimento do livro, mas a acho muito simples. É bonita, mas simples demais. Não consegui expressar tudo o que queria sobre esse livro e o que ele me causou, mas eu recomendo muito, pelo menos pra quem gosta do gênero. (Que gênero? Ia dizer que ele é um “chick-lit dramático”, mas acho que chick-lit não encaixa porque não tem partes engraçadas. É só dramático mesmo. Mas muito bonito, e muito reflexivo).

Livro: Paixão e Liberdade

Autora: Flavia Simonelli

Lançamento: 2010

Editora: Novo Século

Links:Skoob

Compre:Cultura | Submarino

Flavia, muito obrigada por ter me mandado o livro. Foi uma surpresa incrível. Beijos.

Quem quiser ganhar o marcador de Paixão e Liberdade e outros sortidos, comenta pedindo “Eu quero marcadores!” Vou sortear três pessoas domingo, no post do Essa Semana.

Paixão por Mangás #10

Fruits Basket, da Natsuki Takaya. Esse mangá conta a história de Tohru Honda, uma garota que perdeu os pais muito cedo e, por isso, aprendeu a ser forte. Para não dar trabalho ao seu avô, ela decide morar sozinha… em uma barraca, no meio da floresta. Mas depois de um tufão, a barraca é destruída e ela é “salva” (ok, nada tão heroico assim… ele apenas oferece a ela um quarto de hóspedes na casa dele) por Yuki Sohma, considerado o Príncipe da sua escola… apesar de ele ser meio estranho. O que Tohru não sabe – e acaba descobrindo logo nos primeiros dias de sua estada na casa da família Sohma – ele mora com seu primo, Shigure – é que tanto Yuki, como Shigure, como outros integrantes da família Sohma são amaldiçoados: eles têm o espírito dos animais do Horóscopo Chinês dentro de si, e quando são abraçados por alguém do sexo oposto ou quando ficam fracos, eles se transformam nos respectivos animais.

Pra quem não conhece a lenda do horóscopo chinês: segundo a lenda, Deus daria uma festa e mandou convidar todos os animais, pedindo para que eles não se atrasassem. Assim que soube da festa, o Rato foi até o Gato e o enganou, dizendo que a festa seria outro dia. Com isso, no dia da festa todos os animais estavam presentes, exceto o Gato, que esperava ansioso o dia da festa. Com isso, o Gato ficou de fora do Horóscopo Chinês.

Sobre o título do mangá: Fruits Basket é o nome de uma brincadeira conhecida no Japão, onde cada participante leva o nome de uma fruta. Só que a Tohru, quando brincava na escola, sempre era o “bolinho de arroz” (onigiri), que, obviamente, não é uma fruta, por isso era meio esquecido.

Decidi começar a falar realmente sobre mangás e suas histórias com esse porque foi o primeiro mangá que eu li e é o meu favorito. A história é muito interessante, muito diferente. Acho que pra ler essa história e realmente gostar, você precisa entrar fundo nela. Uma coisa que é bem marcada nesse mangá (e é presente na grande maioria dos mangás, já que é um traço cultural japonês) é a inocência. A Tohru é uma – senão a mais – inocente personagem que eu já li sobre e muitas pessoas talvez não gostem tanto do mangá por causa desse aspecto, que é totalmente diferente da nossa cultura. Ela é inocente, ela é forte, ela é ingênua, e ela pode até ser idiota às vezes; mas, pra mim, esse é um dos pontos fortes do mangá. O amadurecimento dela – sem deixar de lado essa ingenuidade cativante – é incrível.

A Tohru vai, com o passar do tempo, conhecendo todos os integrantes da família Sohma e, pouco a pouco, começa a fazer parte dela também – apesar das diferenças, do medo, da insegurança, do incrível poder que o Patriarca da família (que a odeia) exerce. Cada personagem tem uma história cativante, emocionante e difícil. Cada personagem vê a Tohru de um modo diferente, mas que os leva a mesma coisa: ter mais força pra viver.

É, soa meio dramático. É dramático. Chorei litros logo no segundo volume – são 23. Mas também tem partes engraçadas, tem partes quase normais de uma vida colegial, as partes de romance são as mais lindas ever. Ok, o romance. Sabe quando eu disse que a Tohru é inocente? E que inocência é uma marca cultural forte japonesa? Então, é esse tipo de romance que existe no mangá. Mas sabe aquele romance que é construído aos poucos, com a convivência, com a ajuda mútua, com as pequenas coisas? Pra mim, é o mais lindo de todos.

O mangá foi publicado lá no Japão em cerca de sete anos e, ao longo do tempo, o traço evoluiu muito, assim como a história. Aqui o mangá começou a ser lançado pela JBC em 2005, creio, e acho que terminou em 2008. Foi feito também um anime, com 26 episódios, mas que retrata apenas até o sexto volume do mangá.

Espero que gostem e se interessem! Se quiserem participar com mais imagens (sem spoilers, hein!), deixem nos comentários! Adoraria ver, de quem já leu, uma parte que realmente gostou! \o/

Mangá: Fruits Basket

Volumes: 23

Autora: Natsuki Takaya

Editora: JBC

Preço: R$9,80

Links: Ler on-line em inglês | Site oficial

Compre: Comix | Banca 2000 | LigaHQ

 

Resenha: Necrópolis

Verme Vipero é um rapaz que vive com seu irmão mais novo, Victor, num orfanato na modesta cidade de Paradizo. A cada dois anos ele acompanha a contação de histórias do grupo de ciganos que vem à cidade no inverno, apesar de ser cético em relação a tudo o que é contado pelo Velho Saja, o cigano mais velho do grupo. Mas Verne é tentado a acreditar na existência de outros diversos mundos que o Velho Saja tanto fala sobre quando Victor morre de um modo totalmente misterioso. E, mesmo não acreditando, ele vai em busca da salvação da alma do irmão.

Começando pelo prefácio, escrito pelo Leonel Caldela: nele, minhas apostas sobre o livro se intensificaram ainda mais (e me deixou supercuriosa pra ler algo do próprio Leonel). É uma pequena amostra do potencial do autor e do livro, uma pequena amostra do mundo incrível que as próximas páginas trarão.

O livro é dividido em três partes: Paradizo, que conta um pouco da vida de Verne em sua cidade, como ele se relaciona com as outras pessoas, a morte de Victor e como ele descobre poder salvá-lo; Necrópolis, que é justamente o começo de sua aventura no Mundo dos Mortos; e Niyanvoyo, que… é a parte que eu não posso falar sobre. Todo o livro é repleto de lugares descritos detalhadamente, criaturas incríveis e modos de vida fantásticos. Acho que o que eu mais gostei foi isso: tudo é novo, tudo tem várias características diferentes, tudo tem um jeito diferente.

Tava aqui pensando em dizer a parte que eu mais gostei do livro, mas não consigo pensar em apenas uma. O prólogo é muito bom, mesmo só entendendo a relação dele com o livro no fim; a parte de antes da passagem para Necrópolis é muito boa, com todas as predições do tarô, que eu fiquei tentando identificar ao longo do livro; a parte do passado do Siman Tales também é muito boa e sombria; as partes da Karolina e o Planador Escarlate são muito legais, principalmente o próprio Planador – metade máquina e metade criatura; a parte no Alcácer de Dantalion também entra na lista de preferidas, acho que foi a parte mais sombria de todas pra mim.

Quanto ao que eu não gostei muito, dois pontos: a primeira coisa foi a revisão, que não está ruim, mas que deixaram passar pontos fáceis; a segunda coisa é mais uma questão pessoal. Não é nem o caso de realmente não ter gostado, é que demorei pra me acostumar: a narração é em terceira pessoa, e a linguagem é meio oral – e eis o ponto. Achei que ora a linguagem era formal demais, ora informal demais. E não em casos de perspectivas diferentes, mas, por exemplo, no caso da perspectiva do Verne.

De todo modo, recomendo muitíssimo. A diagramação da Editora Draco, como sempre, está lindíssima e espero os próximos livros da série pra entender mais sobre o mundo incrível que o Douglas criou!

Livro: Necrópolis – A Fronteira das Almas

Autor: Douglas MCT

Lançamento: 2010

Editora: Draco

Links: Skoob | Site oficial

Compre: Veja onde comprar | Direto com o autor

Em Chamas na Saraiva Recife!

Ai gente, mais um evento superlegal aqui em Recife! Ontem (domingo) rolou o evento de Em Chamas, segundo livro da série Jogos Vorazes! A organização foi feita por mim e pela Mirela Paes e cara, foi MUITO ótimo! As minhas fotos ficaram meio embaçadas, mas espero que dê pra ter uma visão geral!

O evento contou com 16 pessoas e foram sorteados 2 Jogos Vorazes, 2 Em Chamas e marcadores e cards. Todo mundo saiu com alguma coisa!

Nós fizemos tipo uma arena pra os Tributos se digladiarem (HAHA) e responderem o quiz, e foi MUITO legal! Era assim, a gente dividiu o pessoal em duplas e cada dupla tinha que estourar um balão; dentro de alguns balões tinham papeizinhos com animais caçados pela Katniss dentro, valendo de 4 a 10 pontos; e pra ganhar os pontos do animal encontrado, a dupla tinha que responder uma pergunta do quiz! Como só algumas pessoas tinham lido os dois livros, as perguntas foram bem fáceis, mas foi muito divertido! \o/

Agradeço imensamente a todos que foram e participaram do evento! Adorei! Algumas pessoas que sempre tão nos eventos que eu faço (liiindos! *_*), carinhas novas, todos muito empolgados! YEY! Muito obrigada mesmo! Obrigada à Mirela também, que foi uma ótima parceira de evento! *_* Olha nós todos!

Pra quem quiser todas as fotos que eu tirei (foram poucas, cerca de 30), podem entrar aqui no álbum e escolher. Sigam a Mirela também, ok? ^^ E o próximo evento aqui em Recife é de Os Heróis do Olimpo, do Rick Riordan! Não vou organizá-lo, mas provavelmente participarei *-* yey! Vamos todos? Obrigada mesmo, e até a próxima!