Resenha: Necrópolis

Verme Vipero é um rapaz que vive com seu irmão mais novo, Victor, num orfanato na modesta cidade de Paradizo. A cada dois anos ele acompanha a contação de histórias do grupo de ciganos que vem à cidade no inverno, apesar de ser cético em relação a tudo o que é contado pelo Velho Saja, o cigano mais velho do grupo. Mas Verne é tentado a acreditar na existência de outros diversos mundos que o Velho Saja tanto fala sobre quando Victor morre de um modo totalmente misterioso. E, mesmo não acreditando, ele vai em busca da salvação da alma do irmão.

Começando pelo prefácio, escrito pelo Leonel Caldela: nele, minhas apostas sobre o livro se intensificaram ainda mais (e me deixou supercuriosa pra ler algo do próprio Leonel). É uma pequena amostra do potencial do autor e do livro, uma pequena amostra do mundo incrível que as próximas páginas trarão.

O livro é dividido em três partes: Paradizo, que conta um pouco da vida de Verne em sua cidade, como ele se relaciona com as outras pessoas, a morte de Victor e como ele descobre poder salvá-lo; Necrópolis, que é justamente o começo de sua aventura no Mundo dos Mortos; e Niyanvoyo, que… é a parte que eu não posso falar sobre. Todo o livro é repleto de lugares descritos detalhadamente, criaturas incríveis e modos de vida fantásticos. Acho que o que eu mais gostei foi isso: tudo é novo, tudo tem várias características diferentes, tudo tem um jeito diferente.

Tava aqui pensando em dizer a parte que eu mais gostei do livro, mas não consigo pensar em apenas uma. O prólogo é muito bom, mesmo só entendendo a relação dele com o livro no fim; a parte de antes da passagem para Necrópolis é muito boa, com todas as predições do tarô, que eu fiquei tentando identificar ao longo do livro; a parte do passado do Siman Tales também é muito boa e sombria; as partes da Karolina e o Planador Escarlate são muito legais, principalmente o próprio Planador – metade máquina e metade criatura; a parte no Alcácer de Dantalion também entra na lista de preferidas, acho que foi a parte mais sombria de todas pra mim.

Quanto ao que eu não gostei muito, dois pontos: a primeira coisa foi a revisão, que não está ruim, mas que deixaram passar pontos fáceis; a segunda coisa é mais uma questão pessoal. Não é nem o caso de realmente não ter gostado, é que demorei pra me acostumar: a narração é em terceira pessoa, e a linguagem é meio oral – e eis o ponto. Achei que ora a linguagem era formal demais, ora informal demais. E não em casos de perspectivas diferentes, mas, por exemplo, no caso da perspectiva do Verne.

De todo modo, recomendo muitíssimo. A diagramação da Editora Draco, como sempre, está lindíssima e espero os próximos livros da série pra entender mais sobre o mundo incrível que o Douglas criou!

Livro: Necrópolis – A Fronteira das Almas

Autor: Douglas MCT

Lançamento: 2010

Editora: Draco

Links: Skoob | Site oficial

Compre: Veja onde comprar | Direto com o autor

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

14 Comentários em Resenha: Necrópolis

  1. Diferente, não é? Mas parece bem interessante! Sobre a revisão, creio que as editoras de uma forma geral estão pecando nisso, um exemplo é Tormenta que está CHEIO de erros! Enfim, vou por na minha lista de leitura! =D

    [Responder]

  2. Que medo da capa desse livro rss, esse não é muito o meu tipo de leitura, mas o livro parece bem legal pra quem gosta desse gênero.
    Bjss

    [Responder]

  3. Oi Mari!
    Não sei explicar porque, mas eu não me animo em ler esse livro rs…
    Mas em todo caso vou anotar aqui, quem sabe quando estiver com a fila em pequena eu dê uma chance 😉
    Adorei a resenha, como sempre.
    beijos
    Livros e blablablá

    [Responder]

  4. Esse livro é convidativo demais!
    Estou aguardando minha vez no Booktour e tô que não me aguento! kkk
    Vi na Saraiva outro dia e fiquei babando…
    Essas mudanças formal-informa as vezes incomoda mesmo…

    Fiquei ainda mais ansiosa pra ler!
    Bjs
    Juliana Poggi recently posted..Uma não Resenha!

    [Responder]

  5. Nossa, esse você demorou pra resenhar, hein! Lembro que mês passado você falava que tava enroscada com esse livro…
    Eu não sabia do que se tratava o mesmo, sério! Já tinha visto mas nunca tinha tido “aquele” interesse. Na verdade, eu achava que era algo tipo um livro misturado com video game… Sei lá, acho que a capa me passa essa sensação >.<
    De qualquer forma, é bem legal que o Douglas tenha criado um mundo totalmente novo e acertado a mão! Quero dizer, não deve ser nada fácil fazer isso ;).
    Ótima resenha, aliás! Também espero os outros livros.
    Bjs ;*
    Isa Pina ~ Portal dos Livros

    [Responder]

  6. O livro é até convidativo, mas não me animo muito em lê-lo.
    Quanto aos erros, é fato que últimamente as editoras estão pecando demais nisso e não há uma justificativa plausível, é falta de atenção mesmo já que o livro passa por diversas releituras inclusive algumas editoras submetem o livro a leitores alfa.

    É uma pena que seja assim, mas vamos ver no que vai dar a crítica.

    [Responder]

  7. Nem sabia que esse livro existia antes de você mencioná-lo no blog, mas que bom que você já terminou de ler e pode postar a resenha dele.
    Achei que o mundo criado pelo autor deve ser muito interessante, fiquei curiosa para saber sobre Niyanvoyo, queria muito saber o que é. Fora isso, queria muito ler sobre o Mundo dos Mortos, deve ser muito legal imaginar esse ambiente.

    [Responder]

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge