Resenha: Cira e o Velho

Começamos essa história com o narrador misterioso contando como a Cira entrou em sua vida e como ela o fascinou tanto a ponto dele buscar a verdadeira história desse ser folclórico. Conhecemos toda a história de Cira – desde o nascimento de seu pai, passando pelos momentos crueis de sua tia até a sede de vingança que a move – pelas histórias que o narrador conta, que ele conheceu através dos outros personagens envolvidos com Cira, como por exemplo o próprio pai dela.

A história de Cira é incrível primeiro porque não começa com a Cira; a história começa bem antes e se tranforma numa bola de neve e ao passo que as coisas vão acontecendo você vai relembrando ‘aaah, isso aconteceu por causa daquiiiiilo’ e eu acho isso o máximo!; segundo porque a Cira é incrível. Não só ela, mas todos os personagens: a Maria Caninana e seu destino nada lisonjeiro; o Norato – meu personagem favorito – e sua força e beleza; a Guaracy, diva total; a Dona Nhá, que me pegou totalmente desprevenida com seu papel na história; o Velho, que pra mim foi um dos melhores vilões que eu já ‘conheci’; e outros personagens que não aparecem tanto mas que mesmo assim tem uma presença muito forte durante todo o livro, como a Morte e o Senhor das Mentiras.

O livro é pequeno – tem pouco mais de 200 páginas – mas além da história ser fascinante, ela também é super bem construída. Toda a história é baseada na vingança da Cira contra o Velho e todos os elementos que são apresentados levam, de uma forma ou de outra, pra esse objetivo central. Tá, eu sei que isso deveria ser algo básico, mas não são todos os livros que conseguem fazer isso sem deixar lacunas, sem ficar corrido, deixando o texto fluido. E o Walter consegue fazer isso muito bem. Além disso, todo o livro é super visual, não somente por causa das ilustrações que permeiam todo o livro – feitas pelo próprio Walter! -, mas também porque a narrativa traz essa característica. Sem falar que o livro é ambientado no Brasil, os personagens folclóricos são personagens que a gente conhece desde criança – logicamente, mais crueis, mais reais, mais sensuais, mas ainda assim personagens do folclore brasileiro – e isso é um ponto a mais que foi muito bem utilizado pelo Walter.

Livro: Cira e o Velho

Autor: Walter Tierno

Lançamento: 2010

Editora: Giz Editorial

Links: Skoob / Site Oficial do livro / Twitter do Autor / Site oficial do Autor

Compre: Site oficial (promoção + frete grátis) / Livraria FantásticaCultura / Saraiva

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

21 Comentários em Resenha: Cira e o Velho

  1. Uau! Adorei conhecer o livro pelo seu ponto de vista. Acho interessantíssimo ler sobre folclore brasileiro e, já que você disse que nesse livro há, e de uma forma mais… sensual, rs, vale a pena. E também porque a história parece ser bem bacana!
    Beijão

    [Responder]

  2. Então…no começo,eu não quis ler esse livro não!Porque eu não fazia a menor idéia de como um livro poderia ser tão bom,abordando o assunto do folclore…MAS…já vi muitos blogs falando realmente bem de Cira e o Velho,e eu confio no gosto de algumas resenhas (como a sua,por exemplo)

    Bjs,Guilherme
    Devorando Letras

    [Responder]

  3. O livro parece ser bom, mas como não gosto muito de folclore não sei se um dia vou ler.
    Gostei muito da sua resenha, acho que as ilustrações feitas pelo autor devem ser bem interessantes, principalmente se forem parecidas com a ilustração da capa.

    [Responder]

  4. Opa, ainda não tinha comentado nessa resenha :( Então vamos lá o/

    Difícil encontrar livros de folclore né? Pelo jeito que você foi levando a resenha o livro parece ser muito bom! Tudo se baseia numa viangança contra um velho que não faço idéia de quem seja! huehue Vou ter que ler mesmo pra descobrir :)

    beijos :*

    [Responder]

  5. Pois é, Nicole… a identidade do Velho não é o maior segredo do livro. Trata-se de Domingos Jorge Velho, o bandeirante que liderou o exército que derrotou o quilombo dos Palmares. Mas não se preocupe, pois reservei várias surpresas bem mais interessantes no livro.
    Juh, como sempre, obrigado pelos elogios.
    Iris, que bom que gostou e está interessada em meus próximos trabalhos. Prometo tentar corresponder.
    Meu muito obrigado aos elogios e que pena que alguns não se interessaram pelo livro. Mas não tem problema, porque meu próximo trabalho não tem o mesmo tema. Espero que os interesse.
    Um agradecimento especial à Mari Paixão. Não é porque a resenha é elogiosa, mas porque é bem escrita. Um beijão.
    walter tierno recently posted..Zona

    [Responder]

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


CommentLuv badge