Resenha: A Night to Surrender, Tessa Dare

Primeiro livro da série Spinde Cove, o livro de estreia de Tessa Dare aqui no Brasil é engraçado, empolgante. Os personagens conquistam desde o primeiro momento e o desenvolvimento da história é animador do início ao fim.

Susanna Finch recebe jovens solteiras que não se adequam às normas da sociedade. Em Spindle Cove, as jovens encontram um lugar para adaptarem-se sem se prender às regras para as mulheres. Victor Bramwell é um renomado tenente-coronel que vê sua vida mudar drasticamente ao ser baleado no joelho. Ao tentar um retorno à guerra em Spindle Cove, ele se vê obrigado a defender a vila para provar seu valor. Ele só não contava com uma comunidade feminina forte liderada por Susanna, bem diferente de tudo o que ele conhece.

Eu adoro romances históricos, e saber da publicação de mais uma série foi ótimo! Recebi a prova da Gutenberg e me surpreendi com a narrativa da Tessa Dare. Desde o começo a história se desenvolve com um ótimo ritmo divertido, sem perder a qualidade até o fim. A trama principal e as secundárias se unem muito bem, com contextos diferentes de grande parte dos romances históricos.

Os personagens conquistam desde o primeiro momento. As idas e vindas da Susanna com o Bram são encantadoras, o jeito com que eles se encaram e desafiam o tempo todo é divertido e faz o relacionamento crescer de uma forma muito boa. Eu gosto quando os personagens se relacionam da forma que eles fazem, meio que se completando. Todas as inseguranças que a Susanna tem são aplacadas, pouco a pouco, pelo Bram, e ela também consegue cuidar das inseguranças dele.

Os personagens secundários são igualmente encantadores. Mal posso esperar pra ler o resto da série, que tem mais 3 livros! A Gutenberg fez um ótimo trabalho de tradução e revisão, o livro tá superbonito. Recomendo bastante a leitura pra quem gosta do gênero, e também pra quem quer começar a ler o gênero e não sabe por onde começar!

Livro: Uma noite para se entregar
Série: Spindle Cove #1
Autora: Tessa Dare
Lançamento: 2015
Editora: Gutenberg
Links: Skoob | Goodreads
Classificação: mpcmpcmpcmpc

Tag: conhecendo a blogueira

Faz um tempo que ninguém me marca em uma tag, e eu adoro fazê-las, então, obrigada Nataly, do Critiquinha, por me marcar!

As regras da brincadeira: relatar 11 fatos sobre si, responder 11 perguntas, fazer 11 perguntas e marcar 11 pessoas para respondê-las. Vamos começar!

11 fatos sobre mim

  1. Sou péssima na arte da conversação. Não sei conduzir uma conversa. Então, meus chats de facebook são cheios de “oi” “oi” “tudo bem?” “sim, e com você?” “também” e só.
  2. Posso passar horas e horas sem fazer absolutamente nada, não sinto muita falta de sair de casa pra ser produtiva.
  3. Sou formada (finalmente!) em Letras Tradução em Inglês, mas fui rejeitada num freela de tradução recentemente e estou profundamente abalada pensando que não sirvo pra traduzir.
  4. Mas estou tentando rebater esses pensamentos com outros tipo “tudo bem, você prefere revisar mesmo” (péssimo argumento).
  5. Odiei minha faculdade, mas adoro estudar. E adoro línguas estrangeiras.
  6. Me mudei pra São Paulo há duas semanas e estou em êxtase!!!!!
  7. Várias pessoas acreditam que eu deveria escrever um livro, mas eu não consigo ser criativa o bastante pra pensar pelo menos nos pontos principais.
  8. Neste exato momento estou confortavelmente assistindo um show da Joss Stone no sofá da casa do meu primo e, pra mim, isso é bem melhor do que ir a um show de verdade.
  9. Sou péssima em relação a comida. Não como carne, não como verduras e não gosto de temperos e sabores fortes. Poderia facilmente viver apenas de chocolate, sushi e coca-cola (e ter uma expectativa de vida baixíssima, mas esse não é o ponto).
  10. Eu queria saber cantar e tocar algum instrumento (bateria ou baixo).
  11. Quero aprender japonês, chinês e coreano.

Perguntas da Nataly

  1. Se pudesse voltar no tempo, voltaria? Com certeza. Não pra fazer ou desfazer alguma coisa, mas pra poder olhar com outra perspectiva.
  2. Do que tem medo? De não conseguir fazer tudo o que eu quero fazer.
  3. Se pudesse realizar um sonho em 2015, qual seria? Eu pude! Vim morar em São Paulo, pra buscar um emprego e uma vida.
  4. Quais são seus hobbies? Ler, ler, ler, escutar música, ver filmes e seriados.
  5. Como você faz para se organizar no dia a dia? Eu tento fazer listas e usar agenda e calendário, mas não sou A organização em pessoa.
  6. Quais são os seus livros favoritos? A série Lords of the Underworld, os livros do Jostein Gaarder
  7. Qual o pior dia da semana pra você? Qualquer dia com planos que não acontecem.
  8. Cite 5 coisas que mais detesta. repolho, calor, suco de limão, multidão, roupas que não cabem em mim.
  9. Cite 5 coisas que mais gosta. livros, livrarias, romances, chocolate, sushi.
  10. O que gostaria de tirar ou acrescentar na sua rotina? Acrescentar disciplina.
  11. Como seria um dia perfeito pra você? Um bom livro, uma boa companhia e um bom edredom.

Minhas 11 perguntas

  1. Onde você moraria se pudesse morar em qualquer lugar?
  2. 3 melhores livros
  3. 3 piores livros
  4. 3 melhores filmes
  5. 3 piores filmes
  6. 3 livros que você gostaria que fossem adaptados pro cinema
  7. 3 livros que você quer ler ainda este ano
  8. Coca-cola ou pepsi?
  9. Pizza Hut ou Domino’s?
  10. Qual o melhor feriado do ano?
  11. Picanha ou sushi?

Respondam e me marquem/me avisem nas redes sociais, ok? ;-)

Resenha: The Unidentified Redhead, Alice Clayton

Grace Sheridan, 33 anos, ex estudante de teatro, aspirante a atriz. Tentando embarcar numa trajetória de sucesso na sua carreira, Grace pede ajuda a Holly, sua amiga desde sempre e agente. Nessa nova vida em Los Angeles, Grace conhece Jack Hamilton, atual queridinho da mídia por causa de seu filme blockbuster, e um dos clientes de Holly. Os dois começam um relacionamento às escondidas por causa da carreira de ambos, mas Grace não sabe se isso sobreviverá às inseguranças dela.

Logo antes desse livro ser publicado, eu tinha acabado de ler o outro livro da Clayton, Wallbanger (tem resenha! e é 5 estrelas!), que eu simplesmente amei. Então eu estava no clima de me apaixonar por qualquer coisa que essa autora tivesse escrito. E eu realmente tentei, e o livro também realmente tentou, mas acho que eu tinha expectativas muito grande pra o que acabou se revelando… uma trilogia.

A história é legal, os personagens são muito carismáticos, o relacionamento se desenvolve razoavelmente bem, mas dois pontos tiraram um pouco do meu amor por esse livro: a Grace me dá nos nervos um pouco por ter 33 anos e esconder a imaturidade por trás do sarcasmo. Em várias partes esse humor sarcástico dela é legal e cai bem, mas em outras partes simplesmente se arrasta e você começa a se perguntar o que diabos ela quer da vida. Outro ponto é que, por ser uma trilogia (why god why), a história acaba ficando na enrolação. Sinceramente, eu não senti vontade de ler os outros dois livros. Não aguento mais as inseguranças da Grace, mais talvez-sim-talvez-não dos dois personagens, não aguento mais a vida de celebridade do Jack. Meh.

É um livro engraçado? Sim, em sua maior parte. É um livro com um relacionamento amigável e sexual legal? Sim, até as, sei lá, 50 últimas páginas. É um livro que poderia ter sido único? Com certeza. Mas acho que vale a leitura pela diversão das situações. Quem sabe você até não se anima pra ler os outros livros? :)

Livro: A ruiva misteriosa
Série: Ruiva #1
Autora: Alice Clayton
Lançamento: 2014
Editora: Universo dos livros
Links: Skoob
Classificação: mpcmpcmpc

Vencedores dos prêmios ALA

shutterstock_102813506 [Converted]

ALA é a sigla para American Library Association, a maior associação de bibliotecas do mundo. O objetivo dela é fornecer informações, desenvolvimento e promoção de bibliotecas de forma a aumentar o aprendizado e o acesso a informações para todos.

Todos os anos, a ALA homenageia livros, vídeos e outros materiais para crianças e adolescentes. O ALA Youth Media Awards inclui vários prêmios literários, como Newbery, Caldecott e Coretta Scott King Book Awards.

YMA_lowres

 

No começo desse mês foram anunciados os vencedores do ALA YMA desse ano, e eu vou mostrar alguns deles aqui. Você pode ver a lista completa dos vencedores e nomeados de honra aqui.

Newbery_Honor_SealA Medalha John Newbery é dada para a contribuição mais ilustre para a literatura infantil. The Crossover (Kwame Alexander) foi o vencedor deste ano. O livro conta a história de dois irmãos gêmeos que jogam basquete e têm que lidar com os problemas familiares. O bônus é que Josh, 12 anos, conta a história de sua família em versos.

020115 ALA Midwinter

printz_seal_winPrêmio Michael L. Printz é dado para o livro escrito com excelência para jovens adultos. I’ll Give You the Sun (Jandy Nelson) foi o vencedor deste ano. O livro conta a história de Noah e Jude, irmãos gêmeos que são separados e vivem numa constante reviravolta de amor e ódio por causa disso. O livro também ganhou menção honrosa do Prêmio Stonewall Book, que é dado para livros com méritos para a experiência LGBT.

020115 ALA Midwinter

morris_sealPrêmio William C. Morris para Estreantes é dado para os livros de estreia para jovens adultos de um autor. Gabi, a Girl in Pieces (Isabel Quintero) é o vencedor deste ano. O livro conta a história de Gabi Hernandez, uma garota no último ano do colégio que tem que, além da entrada na faculdade, tem que lidar com a gravidez de uma amiga, um amigo saindo do armário, as paixões de colégio e as comidas que ela deseja comer.

* Bônus: um dos finalistas do prêmio Morris foi As estranhas e belas mágoas de Ava Lavender (Leslye Walton), publicado aqui pela Novo Conceito.

020115 ALA Midwinter

 

Boas indicações, né? Deu vontade de ler todos! A Novo Conceito já lançou um livro da Jandy Nelson por aqui: O céu está em todo lugar. Será que eles vão lançar também I’ll Give You the Sun?

Resenha: Tell the Wolves I’m Home, Carol Rifka Brunt

No dia do enterro do seu tio e padrinho, June Elbus, 14 anos, percebe uma pessoa que prefere não se aproximar do resto da família. Dias depois, ela recebe um pacote dessa pessoa, Toby, contendo um bule que pertenceu ao seu tio e um pedido para eles se encontrarem pra conversar. June, que sempre foi muito apegada ao tio, começa a perceber ao conversar com Toby que tem muita coisa sobre o querido tio que ela não sabia e que ela não é a única a sentir tanta falta dele.

Confesso: os livros da Novo Conceito normalmente não me chamam a atenção. As capas normalmente não fazem jus aos livros que eu já sei que são bons ou não me fazem ter vontade de ler um livro que eu ainda não conheço. Mas com esse foi diferente, porque eu realmente gostei da capa e queria descobrir qual era a relação dos elementos dela com a história. Logo quando eu comecei a ler e comentei com a Duda, do Book Addict, que estava lendo, foi engraçado, porque ela desvendou toda a história só lendo a orelha do livro. Foi realmente tão previsível assim pra vocês também? Pra mim não foi, mas a cada página que eu lia eu percebia que a Duda tinha acertado em tudo!

O livro tem pouco mais de 450 páginas pra uma história que poderia ser contada em 300, no máximo. É uma história morna, com uma escrita floreada e uma narrativa lenta. Muito do livro é só uma descrição forçada do fim dos anos 80 e uma tentativa de enobrecimento da paixonite de uma adolescente de 14 anos por seu tio. Poderia ser uma boa história sobre relações familiares ruins/abusivas/malcompreendidas, mas não há foco nenhum sobre isso. June é só uma adolescente normal que se acha incompreendida e mal-amada, com pais ausentes e uma irmã que a usa bastante.

Diante disso tudo, o livro ficou forçosamente angustiante, de uma forma ruim. Acho que era pra ser algo triste e emocionante, mas ficou meio creepy e de modo algum emocionante. Chega a ser cansativo logo nas primeiras cem páginas, já que é um livro que basicamente não leva a lugar nenhum.

A autora tentou escrever um livro sobre autoconhecimento, luto e redescobrimento de laços familiares, mas pra mim ela falhou feio. Os personagens não foram aprofundados como deveriam, as relações ficaram forçadas e não teve nada de emocionante na “jornada” da June em re-conhecer o seu tio morto por um doença grave. Não gostei da leitura, que foi arrastada e não chegou a lugar nenhum.

Livro: Diga aos lobos que estou em casa
Autora: Carol Rifka Brunt
Lançamento: 2014
Editora: Novo Conceito
Links: Skoob
Classificação: mpcmpc