Bienal do Livro de São Paulo: Um lugar para fãs

A Bienal do Livro de São Paulo começou na sexta-feira da semana passada e vai rolar até esse domingo. Eu estou em SP para o evento, o terceiro que participo, e cada edição comprova duas coisas para mim: brasileiro gosta MUITO de ler e ADORA ser fã de seus autores favoritos.

Particularmente, eu adoro a Bienal principalmente pelas pessoas que eu conheço durante — sejam leitores, profissionais do mercado editorial ou autores. Minha primeira Bienal em São Paulo foi em 2010 e a experiência me marcou tanto que me abriu os olhos para um mundo totalmente novo. Nunca tinha pensado em livros como um produto, o resultado de um processo que envolve vários profissionais, e a partir daquele ano eu passei a observar e aprender e me apaixonar por isso.

Esse ano o primeiro fim de semana da Bienal foi bastante lotado por causa da presença das autoras internacionais Cassandra Clare e Kiera Cass. E também de autores como Harlan Coben, Bruna Vieira e Mauricio de Sousa. Todos com filas imensas, fãs enlouquecidos e grandes números de vendas. Adolescentes e jovens em sua maioria, que esperaram várias e várias horas para ganhar uma foto e um autógrafo com seus ídolos.

A Bienal ficou pequena pra tanta gente e a falta de organização do próprio evento e das editoras testou a paciência de muita pessoas. Mesmo com a demonstração nas redes sociais e os números de vendas dos autores internacionais, a organização não acreditou que tantas pessoas viriam ver seus autores preferidos, e isso resultou num caos de filas, pessoas chorando por falta de senhas e até confusões pontuais com os fãs.

O segmento infantojuvenil do mercado editorial teve um crescimento bastante expressivo no último ano: a própria Cassandra Clare, autora internacional mais esperada dessa edição da Bienal, conquistou um enorme público com sua série sobre caçadores de sombras e outros seres sobrenaturais; e no grupo de autores nacionais, Bruna Vieira é uma das autoras que levou milhares de adolescentes para suas filas de autógrafos e bate-papos sobre seus livros contemporâneos. E isso é só uma pequena amostra do poder que esses consumidores têm dentro do mercado. Esses leitores, de várias idades e várias situações sociais, encontram nos livros situações e sentimentos com os quais eles podem se identificar e se emocionar. Além de autores já conhecidos, novos autores também ganham seu espaço no terceiro maior evento literário do mundo. Diversas editoras lançam novos livros e novos autores na feira, dando descontos e promovendo sessões de autógrafos.

Não sei dizer sobre números e vendas, lucros e prejuízos, mas de uma coisa tenho certeza: a Bienal, mesmo com todos os problemas, conseguiu levar um grande número de fãs a seus ídolos.

Resenha: Rush, Maya Banks

Obsessão é o primeiro livro da trilogia Breathless, que conta a história de três amigos super-ricos, poderosos e atraentes. Nesse livro conhecemos um pouco dos três, mas o foco é em Gabe Hamilton. Ele pode e tem qualquer mulher que deseja, mas a maior obsessão dele é Mia Crestwell, a irmã mais nova do seu melhor amigo.

— PRÓS —

  • No gênero “erótico”, esse livro é decent enough. Eu gosto de livros que tem sexo, mas essa pegada BDSM não é realmente um bom subgênero pra mim, não funciona tanto comigo. Mas ok, terminei de lê-lo, não abandonei no meio e talvez leia o resto da série.

— CONTRAS —

  • Alguém precisa avisar aos autores de livros eróticos que não é porque seu livro tem sexo que não é preciso ter um enredo organizado e bem fechado. Um relacionamento baseado apenas no que acontece dentro do quarto não é um bom relacionamento. Não é porque os personagens fazem sexo que eles têm intimidade. É preciso ter conversa e companheirismo, também.
  • Alguém também precisa avisar que não se faz romance somente com sexo.
  • A história toda se repete: Gabe começa com uma obsessão absurda por Mia, fazendo ela passar por coisas toleráveis até chegar no intolerável, aí ele sente arrependido, pede desculpas, briga consigo mesmo perguntando até que ponto vai o “sentimento” dele por ela, pede desculpas mais uma vez e o ciclo recomeça.

Opinião final: 2/2.5 estrelas. É mais um filho bastardo de 50 Tons. É só mais um, que não chega a valer a pena realmente, mas que pode ser um bom passatempo se você gosta do gênero. Isso me desanimou porque eu tinha muita curiosidade sobre a autora, que é bastante conhecida lá fora. Me deixou indecisa sobre outros livros dela.

Livro: Obsessão
Série: Breathless #1
Autora: Maya Banks
Lançamento: 2013
Editora: Quinta Essência
Links: Skoob | Goodreads
Classificação: mpcmpc

Retrospectiva Julho/2014

Não tá muito tarde pra falar dos livros lidos do mês passado, né?

  1. Alba, do Enderson Rafael
  2. Manhã de Núpcias, da Lisa Kleypas
  3. A Vida do Livreiro A.J. Fikry, da Gabrielle Zevin
  4. Proposta Inconveniente, da Patricia Cabot
  5. Graffiti Moon, da Cath Crowley
  6. Cartas de Amor aos Mortos, da  Ava Dellaria

Um mês de leituras muito boas! Alguém já leu algum desses, também? ;-)

Resenha: Bed of Roses, Nora Roberts

Emma é a protagonista desse segundo livro da série Quarteto de Noivas. Ela é a decoradora da empresa de organização de casamentos Votos, fundada por Emma e suas três amigas. E mesmo a empresa sendo um sucesso por causa do ótimo trabalho que elas fazem, algumas pessoas a ajudaram a começar e ir adiante, inclusive Jack Cooke, melhor amigo do irmão de Parker.

— PRÓS —

  • A ideia dessa série é muito bonita, e a Nora Roberts tem aquela narrativa que faz tudo soar muito melhor. Eu gostei muito do primeiro livro da série, e também gostei desse segundo, apesar de algumas ressalvas. O que eu quero dizer é que apesar dos tropeços da personagem desse segundo livro, toda a parte de organização e de amizade e de relacionamentos entre os amigos é muito boa.
  • Isso pode ser um pró só pra mim, mas eu realmente adoro toda a parte da organização de casamentos em si. Adoro o planejamento, a seleção de tarefas e os imprevistos que acontecem. E é TÃO legal ver quão boas as quatro personagens são em seus trabalhos! Elas são incríveis, altamente profissionais e tudo parece ficar MUITO lindo!
  • O romance do livro, até certo ponto, também é muito bom. É bom eles já se conhecerem, é bom eles terem essa tensão há um bom tempo. Eu realmente gostei da base, do começo de tudo. Como termina é que não funcionou pra mim.

— CONTRAS — 

  • O que foi um fator contra e deixou o romance bem nonsense pra mim foram as altas expectativas da Emma. E como ela é control-freak. E, bem, basicamente todo o conceito de romance dela. Ela tem ideias fixas de como um relacionamento deve ser, e o cara perfeito que satisfizer tudo o que ela “precisa” tem que agir exatamente como ela quer, porque senão não vai dar certo. É um pensamento bem imaturo e egoísta. E, bem, o livro tem um final feliz, então a autora criou esse cara perfeito que aceita tudo o que ela quer! Ela só esqueceu de criar um personagem que mostrasse que não é bem assim que acontece na vida real. Na vida real, a Emma soaria mais como uma maníaca controladora com síndrome de princesa.

Opinião final: 3,5/4 estrelas. Ok, a Emma às vezes dá nos nervos com a vida perfeita que ela quer ter com o relacionamento perfeito com o cara perfeito. Mas quem não quer isso, né? Não deixa a história ruim por causa disso, só tira um pouco da veracidade que a história teve, por exemplo, no primeiro livro com o Carter e a Mac!

Livro: Mar de Rosas
Série: Quarteto de Noivas #2
Autora: Nora Roberts
Lançamento: 2014
Editora: Arqueiro
Links:Skoob | Goodreads
Classificação:mpcmpcmpcmpc
Arqueiro_parceria

Resenha: A Morte é Legal, Jim Anotsu

Andrew é um garoto de 19 anos que mora em Dresbel e que quer ser escritor, mas não sabe muito bem por onde começar. Andrew é apaixonado por Briony, sua melhor amiga, mas não consegue se declarar. Sua chance para mudar essa situação vem na forma de Ive, a garota de cabelos verdes, filha mais nova da Morte, e sua aventura pessoal para alcançar o que deseja.

Essa não vai ser uma resenha de prós e contras porque esse livro foi pra minha lista de favoritos. Quer dizer, eu tenho um contra apenas, que é a falta de revisão, mas a história é incrível.

Pra começar, o prefácio. Quem o escreve é o Jacques Barcia, que avisa que esse livro é como um coelho branco: nunca é o que realmente aparenta. À primeira vista, você pode pensar que é apenas a história de um garoto apaixonado pela melhor amiga. Ou a história de uma aventura para encontrar algo que satisfaça algum desejo. Ou ainda a história de dois irmãos, órfãos de mãe, que buscam algo mais em suas vidas. E a história é tudo isso, de certa forma. Mas também é muito mais. Escondido nas entrelinhas, entre as diversas referências culturais e se desdobrando a cada virada de página, você encontra um mundo, vários mundos, e todos eles fazem a história ser o que é. E fazem os personagens serem o que são. E conta tudo isso numa narrativa fluida, divertida, poética e bem trabalhada.

O que eu mais gostei nesse livro foi a diversidade e os desdobramentos. O Andrew quer ser escritor, é apaixonado pela melhor amiga, tem interesses diferentes, embarca numa aventura com a filha mais nova da morte, encontra várias e várias criaturas sobrenaturais — cada uma melhor do que a outra, tantas personalidades! –, corre riscos e muda seus conceitos. Todos os personagens que ele encontra em seu caminho é incrível e muda algo no Andrew. E ainda tem as partes da Amber, irmã do Andrew, que quer ser rapper, tem um melhor amigo que é seu companheiro rumo ao estrelato, e ela já tem todo o caminho resolvido e vai lutando pelo seus desejos com unhas e dentes. Algumas coisas são mais difíceis do que ela previa, mas só servem pra que ela se fixe mais no que deseja. É interessante notar essas diferenças entre os dois irmãos: no começo, um tá meio perdido, sendo levado pela vida, e o outro já sabe o que quer e só caminha praquilo; e no final, ambos estão mais fortes, mais centrados, mais certos de si mesmos. O Andrew pode ser um pouco difícil no começo por causa do seu jeito emo/loser, mas é a personalidade dele, que vai sendo moldada pelo resto do livro.

Esse livro começa com o maior dos clichês mas se desenvolve de tal maneira que deixa você fissurado. Você precisa saber o que vai acontecer. Precisa saber como vai terminar. Precisa saber todos os motivos e todas as consequências. É uma aventura e tanto. Se você gosta de descobrir novos mundos e viajar entre situações sobrenaturais, esse é o livro pra você. E, enquanto você viaja, você também reflete sobre as consequências de todos os atos, de todas as decisões, de todas as ações que, por um lado parecem egoístas (e talvez até sejam realmente), mas que você acaba achando um porquê mais pra frente.

Então, leiam esse segundo livro do Jim, leiam também o primeiro, Annabel & Sarah, e se preparem pro terceiro livro dele, que vai sair esse ano, na Bienal do Livro de São Paulo, pela Editora Gutenberg!

Livro: A Morte é Legal
Autor: Jim Anotsu
Lançamento: 2012
Editora: Draco
Links: Skoob | Goodreads
Classificação: mpcmpcmpcmpcmpc